Poupança Seguros

Depósitos a Prazo ou Seguros de Capitalização?

seguros de capitalização
Written by A Carteira

Já por aqui detalhamos as principais características dos depósitos a prazo e dos seguros de capitalização. Podendo ser produtos complementares e produtos substitutos, importa conhecer as principais diferenças para que tome a melhor decisão para as suas poupanças.

Vantagens dos Depósitos a Prazo

  • Os depósitos a prazo têm algumas vantagens face aos seguros de capitalização, como sendo:
  • Não têm comissão de subscrição;
  • Tipicamente podem ser contratados com montantes mais baixos;
  • São mais flexíveis não só no que toca ao montante mas também no que se prende com o prazo do investimento que pode ser mais reduzido.
  • Existência de um fundo de garantia de depósitos.

Vantagens dos Seguros de Capitalização

  • A principal vantagem dos seguros de capitalização é a tributação muito mais favorável, mas para prazos mais alargados
  • Tipicamente as taxas de juro dos seguros são superiores às taxas dos depósitos a prazo.
  • Possibilidade de fazer entregas periódicas (também existe nos depósitos a prazo mas é menos comum).

Como escolher?

Atualmente as taxas dos depósitos a prazo não são muito elevadas. No entanto, estas taxas servem de referência às taxas praticadas nos seguros, pois estes produtos são considerados produtos concorrentes. Assim, as taxas de juro atualmente serão semelhantes (talvez com vantagem para os seguros de capitalização).

Conceptualmente, podemos dizer que estes dois tipos de produtos devem ser vistos como complementares e não como concorrentes. Assim, poderá optar por ter seguros de capitalização para poupanças com prazos mais elevados e deixar os depósitos a prazo para prazos mais curtos. Por exemplo, subscrever um bom depósito a prazo (com taxa elevada e num banco sólido) para o seu fundo de emergência ou para uma poupança para as férias.

Uma Última Dica

Deixamos uma última dica que deverá ter sempre em conta nas suas decisões de poupança. Pode acontecer estar a ponderar subscrever uma poupança tendo créditos em curso atualmente. É muito comum ter depósitos a prazo ou mesmo certificados de aforro e ter dívidas de cartão de crédito ou dívidas de curto prazo (como crédito pessoal). Nestes casos, alertamos para que pode fazer todo o sentido liquidar primeiro as dívidas antes de fazer poupanças (com algumas exceções, como o caso da garantia de um fundo de emergência).

Em qualquer dos casos, é sempre possível renegociar as suas dívidas ou fazer um crédito consolidado de modo a baixar as prestações, o que pode permitir ser interessante conciliar a poupança com alguns tipos de crédito.

Sobre o autor

A Carteira

Deixe o seu comentário:

NOS


<%-- negocios e empreendedorismo --%> Blogs do Ano - Nomeado Negócios e Empreendedorismo