Poupança

Um Natal minimal: consiga os melhores presentes e poupe

Natal Minimal
Written by A Carteira

Como em tudo na vida, faz sentido reflectir sobre o consumo que fazemos antes de partir para ele, pelo simples facto de que, se tivermos uma orientação prévia, conseguiremos resolver tudo mais rapidamente e teremos, seguramente, outra sensação de satisfação. E não é uma questão de demonizar o consumo, que é um dos motores da economia, mas pensar de que forma faz sentido fazê-lo.

A sociedade ocidental vive há várias décadas em grande excesso e as tendências para refrear o ímpeto das compras por impulso, dos hábitos que não fazem sentido, e de seguir ideias mais ligadas à reciclagem, à sustentabilidade ambiental e à poupança fazem cada vez mais sentido para uma ampla franja de consumidores.

Pensar para reduzir

Hoje falamos-lhe nesta tendência de redução de presentes, de encontrar lembranças alternativas e outra maneira de estar – em todos os aspectos – e que nos leva a querer viver um Natal (e uma vida) mais minimalista. Podemos fazer sempre uma experiência e perceber o que faz sentido para nós. O que não é produtivo é continuar sem (re)pensar:  se mudarmos de atitude é muito mais difícil chegarmos a um consumo com que cada um se identifica realmente. E a verdade é que, muitas vezes, se chega às festas propriamente ditas já cansado, farto e sem energia para estar presente de corpo e alma e aproveitar os momentos com quem mais gosta.

O nosso presente deste ano são estas ideias que lhe deixamos para se inspirar:

Ofereça tempo de qualidade e experiências: ganhar momentos que constroem boas memórias é uma aposta ganha com a geração millenial, mas aplica-se a muita gente. Para quê oferecer mais um perfume, camisola, bibelôt, etc., que nem sabe se a pessoa vai valorizar ou se lhe faz falta? No entanto, se olhar para os hábitos que a pessoa tem, e para outros que seria interessante ganhar, pode pensar em concertos, espectáculos, workshops, festivais, exposições ou experiências gastronómicas que vão realmente enriquecer quem delas usufrui. Lembre-se também das subscrições, como por exemplo do Spotify, Netflix, Youtube Premium, jornais ou revistas. Estará muitas vezes a apoiar a Cultura e pode, inclusive, juntar-se à experiência para fomentar momentos significativos com amigos e família. Há descontos, vouchers, etc., que pode sempre aproveitar para poupar bastante. É uma questão de estar atento a descontos como este do Teatro Nacional D. Maria II.

Escreva a carta ao Pai Natal: os pais podem escrever com as crianças pequenas a famosa ‘Carta ao Pai Natal’. A ideia é levá-los fazer uma reflexão sobre coisas importantes que realmente querem, sem ser objectos. Nas situações em que os familiares querem oferecer presentes – e já é muita gente e muitos brinquedos! – a solução pode ser pedir antes uma contribuição para uma conta poupança para a criança ou até roupa de que precisem. Brinquedos que estimulem o desenvolvimento são uma hipótese, claro – sempre com o ambiente em mente, em versões de madeira, por exemplo. Mas sem exageros. A ideia é dar o exemplo da não acumulação. Outra hipótese que tem, quando ainda são pequenos e não consegue controlar as coisas que lhes dão, é guardar alguns brinquedos para lhes dar ao longo do ano – no aniversário, por exemplo – e levá-los a doar também a crianças mais carenciadas.

Opte pelo amigo secreto: esta é uma grande ideia, não só entre colegas de trabalho e amigos. Anima os grupos por causa do factor surpresa e reduz muito o consumo excessivo. Aplique esta regra em sua casa, como forma de dar o exemplo para um consumo mais responsável – precisa de dar exemplos aos mais novos, não é verdade? Poupa e contribui para a poupança e alívio de todos. Proponha um valor máximo para os presentes e se quer evitar desperdício ou desilusões. Para crianças ou adolescentes pode fazer alguma excepção, mas lembre-se que muitos vão acabar por receber outros presentes, vindos de outros familiares ou amigos. O ideal é que cada um faça uma lista de desejos prévia, conhecida por todos. Assim o amigo secreto saberá sempre quais as aspirações e necessidades da outra pessoa.

Ofereça conhecimento: o saber não ocupa lugar…todos sabemos. Porque não oferecer um pacote de aulas, um workshop ou um curso a alguém próximo que precise de aprender algo. Será de facto importante para a sua evolução pessoal, seja em termos de estudo/profissionais, seja simplesmente como hobbie. Há múltiplas formas de o fazer, mas há plataformas de e-learning, como a Coursera, que têm opções boas e gratuitas.

– Faça presentes e decoração: a criatividade e a reciclagem devem ser o mote. Podem fazer-se excelentes centros de mesa com ramos de azevinho e pinhas; taças com fruta, frutos secos, chocolates ou bolas de natal que já não estão a uso; reciclar papeis de embrulho e laços do ano anterior ou fazer embrulhos com papel de jornal, papel pardo ou restos de tecido. Nesta lógica, conhecida por DIY (Do It Yourself), pode encontrar muita inspiração online, desde sites a tutoriais, e aproveitar para fazer presentes personalizados, desde compotas e cosmética caseira…vale tudo. Um presente personalizado e feito à mão, a pensar especialmente em alguém, tem sempre outro valor.

– Dê um empurrão às próximas férias ou para um passeio em grupo: toda a gente precisa de férias e descanso…se gosta de viajar com família e amigos, uma das hipóteses é procurar grandes descontos em pacotes de férias, voos, aluguer de casas, escapadelas…tudo o que contribua para todos aproveitarem as férias da melhor maneira, sem terem de fazer um esforço financeiro tão grande quando chegar a época. Pode também investir em concentrar presentes numa actividade que a família possa fazer em conjunto, seja um passeio de um dia ou de fim-de semana.

– Vá a mercados, feiras, mercados de segunda mão e de troca, alfarrabistas, etc.: mais uma forma ecológica e responsável de consumir. Compra a pequenos produtores locais, artesãos e artistas, pode comprar em segunda mão, pode trocar produtos directamente, pode participar em acções solidárias. Poupa muito dinheiro, foge aos presentes das lojas clássicas, ajuda a sua comunidade e quem mais precisa e ajuda-se a si próprio, fugindo ao cansaço e às filas dos grandes centros comerciais. Neste momento há mercados de Natal um pouco por todo o lado, e mesmo feiras habituais que continuam a fazer-se durante o mês de Dezembro, onde pode adquirir presentes originais a preços razoáveis.

– Compre a ONG’s – pode comprar pequenos presentes, como t-shirts, canecas, porta-chaves e outros a ONG’s, instituições de apoio social, de saúde, culturais ou outras causas. Este tipo de acção é cada vez mais valorizada pelas pessoas que compreendem a importância de contribuírem para uma sociedade mais equilibrada.

– Peça que doem por si a instituições de solidariedade – uma tendência que faz cada vez mais sentido é, nestas épocas, pedir a amigos e familiares que ofereçam uma doação no seu nome a uma instituição ou causa que apoie. Há muitas causas que precisam de si.

Compre online: é uma boa aposta comprar online e escolher as coisas criteriosamente, sem o stress das deslocações e de ter de sair de uma superfície comercial com as compras feitas. Quantas vezes não foi vencido pelo cansaço enorme desses locais e comprou por obrigação? Esta é uma tendência que, embora seja mais fácil para a gerações mais jovens, chegou para ficar. Cada vez mais lojas lhe dão o direito de troca e devolução e até de pedir a entrega para uma loja ou ponto de recolha perto de si, sem qualquer custo – pode experimentar e, caso não goste, devolver de imediato ou devolver, mais tarde, em determinado prazo. As trocas estão facilitadas e evita comprar por impulso.

– Partilhe a confecção dos pratos: se faz tudo em sua casa, onde acorrem familiares e amigos para duas ou três grandes refeições, porque não combinar com a família mais próxima que alguém leva sobremesas e outra pessoa leva entradas ou bebidas? Isto não quer dizer que não saiba receber. Mas já que o dono da casa tem obrigatoriamente mais despesa e trabalho que os restantes, é uma forma justa de se cansar um pouco menos e todos pouparem.

Programe uma actividade de Natal para todos: fomentar a comunicação, a brincadeira e os momentos em conjunto – com um desafio para todas as idades – é importante e gera boa disposição. Seja montar uma peça de teatro, distribuindo com antecedência as personagens pelos membros da família; contar histórias; cantar; preparar um jogo de pistas ou fazer um concurso de cozinha…há muitas opções para animar o grupo, provocar grandes gargalhadas e criar memórias de grupo.

Consumimos demais, poluímos demais, desequilibramos o planeta com o exagero – as emissões de carbono, o plástico e tantas outras coisas – e esquecemos que o ideal seria ajudar a que o mundo não fosse tão desigual, apoiando algumas zonas do globo que vivem em enorme carência. A ideia é aprendermos a viver com menos e cingirmo-nos ao que precisamos – como nas dietas, fazendo alguns ‘excessos’, mas não fazendo os excessos todos. Lembre-se sempre:  ‘menos é mais’!

 

Sobre o autor

A Carteira

A Carteira é constituída por uma equipa de profissionais com muita experiência no setor financeiro. A nossa missão é ajudar as famílias a ter uma melhor relação com o dinheiro. Acreditamos que é possível poupar dinheiro, investir tempo e dinheiro na melhoria das nossas condições de vida. E estamos cá para ajudar com os conteúdos para que possa tomar as melhores decisões financeiras.

Deixe o seu comentário: