Emprego

Como está o recrutamento em 2017?

Distrate de Hipoteca
Written by A Carteira

Depois de uns anos complicados no que toca ao Emprego em Portugal, parece que estamos numa fase ascendente e a recuperar de um mercado mais parado. O meio digital Dinheiro Vivo reuniu alguns responsáveis por empresas de recrutamento em Portugal – Egor, Adecco, Kelly Services, Ray Human Capital, Randstad e Michael Page – para perceber como está o mercado atualmente e quais são as grandes tendências empresariais de 2017.

Destaque para as áreas tecnológicas

Um dos pontos chaves para abordar o mercado de emprego nos dias de hoje é estar consciente que, mais do que nunca, as áreas tecnologias estão a ter o maior sucesso. O facto de termos cada vez mais plataformas tecnológicas, perfis cada vez mais técnicos, mais especializados e com mais apetências tecnológicas e, consequentemente, uma geração millennial (quem cresceu nos anos 80 e 90) mais focada nestas áreas, faz com que a procura na área também aumente. Programadores, web designers, analistas funcionais, webmasters e gestores de SEO, SEO traffckers e de Clouds são posições que estão muito fortes no mercado atual.

Continua a escassez nas posições comerciais

Ainda assim, ainda há uma escassez de profissionais mais especializados nas posições comerciais, como nos centros de serviços partilhados ou até como operadores de call centers, tornando-os, a par das engenharias e do turismo, dos setores com maior procura atualmente.

Desemprego a cair e algum aumento salarial

Outro ponto chave – e muito positivo – é perceber que o recrutamento está numa fase ascendente, com mais investimento por parte dos empregadores. O facto das empresas se estarem a internacionalizar e a procurar Portugal como centro de negócios, faz com que haja uma necessidade extra de diversificação das áreas de negócio e, consequentemente, mais contratações. Além disso, há um aumento salarial já que as empresas estão dispostas a investir mais para atrair e para reter talento – principalmente no que toca às novas gerações e quadros técnicos e superiores altamente especializados.

Tenha em atenção as áreas mais saturadas

Por último, sistematizando as oportunidades de trabalho no mercado, os cursos universitários para quem o mercado parece estar com espaço e vagas são medicina, informática, áreas digitais, engenharias, matemática aplicada, gestão industrial, hotelaria e estatística. Mas, por outro lado, também são vários os cursos a evitar pela saturação do mercado. Criminologia, sociologia, fisiologia, assistência social, história, ensino, ciências sociais, geografia e administração pública são alguns dos cursos.

Resumindo, o mercado de recrutamento está numa fase ascendente e as empresas estão a recrutar cada vez mais. As ofertas de emprego multiplicam-se mas, com elas, também o nível de exigência e de especialização dos candidatos.

Sobre o autor

A Carteira

1 Comentário

Deixe o seu comentário:

SIMULE JÁ O SEU CRÉDITO COM A NOSSA AJUDA!